DESTAQUES SAÚDE

Acidentes com animais peçonhentos aumentam no verão

Nos meses de verão há um aumento no número de acidentes por animais peçonhentos (principalmente o potó e o escorpião) em relação aos demais meses do ano: cerca de 40% dos acidentes são registrados nessa época. Os dados do CCZ mostram que no ano passado, 11 acidentes por escorpiões foram registrados em Araguaína. De janeiro a março deste ano, 37 acidentes foram registrados.

Potó

O potó é semelhante a uma formiga, mas é um inseto da família dos besouros. Sua incidência é maior nos meses de calor. É atraído pelo calor que à noite ele procura o corpo humano.

Para evitar o seu surgimento, é recomendável a troca de luzes brancas por amarelas, evitar o uso de colchas de cama de cor branca, a instalação de telas em janelas e o cuidado com resíduos, pois eles se alimentam de matéria orgânica em decomposição.

Caso perceba o potó caminhando sobre a pele, a recomendação é não apertá-lo. Retire-o com calma e lave a área com água corrente e sabão. Caso seja pressionado, o inseto libera uma secreção que provoca queimadura na pele, com intensidade e gravidade variáveis.

“Quando afetado pelo inseto, o paciente deve procurar uma unidade básica de saúde (UBS) ou o Hospital de Doenças Tropicais (HDT)”, completou a veterinária. A queimadura deve secar naturalmente e não é recomendável o uso de receitas caseiras, como pasta de dente ou margarina, por exemplo.

Imagem relacionada

Escorpiões

Segundo a veterinária, os incidentes com escorpiões ocorrem em qualquer período do ano e manter a higiene é a forma mais eficaz de evita-los, já que os animais se alimentam principalmente de baratas e cupins.

“Caso a pessoa consiga capturar ou matar o animal, deve leva-lo ao CCZ para ser identificado. Em caso de picada, a recomendação é procurar atendimento médico urgente”, alerta a veterinária.

Resultado de imagem para escorpião

 

Principais recomendações em caso de acidentes por animais peçonhentos

  • Procure atendimento médico imediatamente.
  • Se possível, lave o local da picada com água e sabão, mantenha a vítima em repouso e com o membro acometido elevado até a chegada ao pronto-socorro.
  • Em acidentes nas extremidades do corpo, como braços, mãos, pernas e pés, retire acessórios que possam levar à piora do quadro clínico, como: anéis, fitas amarradas e calçados apertados.
  • Não amarre (=torniquete) o membro acometido e, muito menos, corte e/ou aplique qualquer tipo de substância (pó de café, álcool, entre outros) no local da picada.
  • Não ingira ou ofereça bebida alcoólica ao acidentado.
  • Informe ao profissional de saúde o máximo possível de características do animal causador do acidente, como: tipo de animal, tamanho, entre outras coisas.