DESTAQUES QUADROS DO PROGRAMA

A Boa Enfermeira!

Na vida médica passamos por bons e difíceis momentos, na procura em atender quem mais precisa para tirar a dor ou o sofrimento. Mas, lidamos não com máquinas ou objetos inertes, lidamos com gente e somos gente, carregados de todos os sentimentos de amor, dor, anseios e frustrações. Por isso, os profissionais na área da saúde, devem ter um toque a mais que das demais profissões! Devemos nos manter calmos e aparentemente frios diante da vida e da morte, para que assim consigamos executar aquilo para o qual fomos treinados.

Mas esta aparente frieza, não significa que somos indiferentes ou realmente frios, somos apenas preparados para enfrentar momentos delicados que nos sugam ou obrigam ao raciocínio rápido e profissional. De qualquer forma, nas horas de descontração, quando a medicina não nos cobra maiores responsabilidades, podemos tirar do dia a dia livros e mais livros de contos engraçados ou até tristes.

Em uma dessas horas, me lembrei de uma enfermeira que trabalhava em um grande hospital do Rio de Janeiro, e era a responsável de, no centro cirúrgico e nas enfermarias, passar as sondas vesical nos pacientes que ali se encontravam em tratamento, e por coincidência, este hospital era em frente ao consultório onde eu atendia em uma clínica de Urologia. Como todos devem saber, a especialidade de urologia, cuida de homens e mulheres, e tem muitos casos de disfunção sexual, onde atendemos muitos homens com queixas de impotência sexual, hoje melhor denominada de Disfunção Erétil.

Lembro-me de um paciente que já em um tratamento longo para esta doença, e com pouca resposta aos medicamentos, se preparava no centro cirúrgico para uma determinada cirurgia, e como em todas ou quase todas cirurgias, antes devemos introduzir uma sonda na bexiga, que se faz através da uretra. E este senhor foi atendido pela enfermeira que ao manipular seu órgão genital, ele desenvolveu uma ereção como há muito não havia conseguido, mesmo depois de tantas alternativas para resolver e sem sucesso. Lógico que isto pode ocorrer como uma resposta ao estímulo da manipulação para a introdução da sonda e não é nada de se estranhar e todos enxergam com muita naturalidade. O problema é que a enfermeira ficou tão sem graça, que virou piada dos outros que ali estavam, e saiu do trabalho naquele dia vermelha de vergonha!

Mas sua vergonha deve ter sido passageira, pois meses depois vimos que nosso movimento de consultas havia caído e pacientes em tratamento para a disfunção erétil, haviam sumido da clínica. Estranhamos também que o mesmo paciente que a enfermeira havia colocado a sonda, nos procurou depois perguntando por ela e se nós sabíamos onde, em qual clínica era trabalhava. Na época não deduzimos que aquela enfermeira, depois do ocorrido, havia aberto uma clínica de sexologia bem em frente ao nosso consultório e passou a atender vários de nossos pacientes com problemas de disfunção sexual. Não havíamos atentado ao fato que depois de ter conseguido levantar a cabeça de um paciente que somente olhava para baixo, que nunca era 12 horas e sempre seis e meia, que nunca saia tiro do cano da espingarda enferrujada, ela adquiriu fama no mercado e largou a profissão de enfermeira fazendo um curso rápido de atendimento sexual, até com um número 0800 de ligações e uma rádio que dava respostas 24 horas por dia.

Sucesso absoluto sua clínica, já somados mais de mil pacientes atendidos, hoje ela está sendo estudada por pesquisadores para tentar decifrar como consegue tratar e curar vários pacientes com disfunção erétil, apenas por introduzir uma sonda na bexiga! Indagada sobre o assunto, ela responde que: ”… é apenas uma questão de carinho pela profissão e dedicação ao paciente, que se tornaram especiais em sua vida, e habilidade manual! …” Ora, roubando nossa clientela, e que habilidade!

Tomemos o impulso de entender que a medicina é uma profissão que trabalha com pessoas e para as pessoas, e portanto, envolvida com tudo que pertence as próprias pessoas, não devendo nos estranhar pelas reações naturais e fisiológicas, e dar chance às terapias alternativas! Repassarei o endereço da profissional a quem interessar…